Você sabe o quanto de sódio sua família está consumindo?

Antes de tudo é importante entender a diferença entre o sal e o sódio. O sal que compramos no mercado para cozinhar ou temperar as refeições chama-se Cloreto de Sódio, ele é importante para a conservação e para dar sabor aos alimentos. O Sódio é um mineral puro que tem sua importância no nosso organismo, ele está envolvido na manutenção do equilíbrio e distribuição do líquido corporal e também auxilia na condução de impulsos nervosos e no controle da contração muscular.
  O sódio é diferente do sal de cozinha. Este mineral, no entanto, é muito utilizado (em excesso!) na indústria alimentícia, e é aí onde mora o perigo! O consumo desses alimentos industrializados faz com que nossa ingestão de sódio seja muito mais alta do que deveria ser e o seu controle fica extremamente dificultado pelo fato do sódio estar “escondido” em diversos produtos que estão ganhando espaço cada vez maior na mesa das famílias.
  Atualmente, tantos adultos como crianças consomem de três a cinco vezes mais sódio do que a quantidade máxima recomendada (menos do que 2 gramas de sódio ao dia é o máximo recomendado, o que corresponde a 5 gramas de sal). Este consumo excessivo pode causar o aumento da pressão arterial, o principal fator de risco para as doenças cardiovasculares, bem como doenças renais. É por essa razão que entidades de saúde demonstram preocupação e frequentemente lançam campanhas para alertar sobre o consumo de sódio.
  No mês de março deste ano, a Organização Mundial da Saúde (OMS) em parceria com outras entidades, lançou a “Semana Mundial pela Conscientização do Sódio” que solicitou às indústrias de alimentos a redução da quantidade de sódio em seus produtos, especialmente aqueles voltados ao público infantil. Além disso, realizou campanhas de sensibilização para as famílias estarem atentas ao rótulo dos alimentos e ao que é escolhido para fazer parte da alimentação diária, evitando os alimentos processados e preferindo preparações caseiras e com ingredientes frescos.
  Neste ano, as crianças foram o foco da campanha, pois são especialmente vulneráveis à publicidade e ao marketing de alimentos e, ao mesmo tempo, estão desenvolvendo seus hábitos alimentares. Os hábitos alimentares praticados na infância terão um forte impacto sobre o padrão de consumo alimentar quando adultos. O alto consumo de sódio, mesmo durante a infância, tem um efeito sobre a pressão arterial e pode predispô-las a doenças como a hipertensão, osteoporose, asma e outras doenças respiratórias, obesidade e câncer de estômago.
  É importante que todos entendam a importância da formação de hábitos alimentares saudáveis para as crianças desde cedo. Mas, o que estamos oferecendo às nossas crianças? Fast food, salgadinhos, refrigerantes, hamburguer, nuggets, salsicha. É preciso repensar isso!
   

Medidas simples podem e devem ser tomadas para ajudar a reduzir o consumo de sódio. Não basta apenas reduzir o teor desse nutriente nos alimentos industrializados. É preciso também fazer escolhas alimentares mais saudáveis.

   

Veja nossas dicas:

  • Leia a tabela nutricional para saber se um alimento tem muito sódio. Segundo o Ministério da Saúde, se a quantidade de sódio for maior do que 400 mg, em 100 g de alimento, este é considerado um alimento rico em sódio e deve ser evitado;
  • Atenção à lista de ingredientes que indica a composição do alimento industrializado. Os ingredientes são listados na ordem decrescente de quantidade. Glutamato monossódico, nitrato e nitrito de sódio, caseinato de sódio, ciclamato de sódio, metabissulfito de sódio, benzoato de sódio, inosinato dissódico são indicadores do sódio escondido nos alimentos. Se estiverem no início da lista, pior! Significa que estão em níveis elevados dentro do produto;
  • Consuma mais alimentos frescos ou pouco processados, pois tem menos sódio;
  • Reduza a frequência de consumo de alimentos ricos em sódio e tente substituí-los por alternativas mais saudáveis. Atenção aos campeões de sódio:
    • carnes e peixes processados como presunto, bacon, salame, linguiça, patê, peixe defumado;
    • refeições prontas ou “snacks” como pizza, pastéis, hamburguers e outros lanches prontos, sopas em lata ou pacote;
    • salgadinhos como batatas fritas, pipoca salgada;
    • temperos e molhos prontos;
  • Procure por versões de alimentos com menos sal e “sem adição de sal”. Quando não for possível, compare os produtos das diferentes marcas e escolha o com menor teor de sódio;
  • Evite usar temperos prontos e caldos concentrados. Os temperos prontos são extremamente ricos em sódio. Prefira ervas desidratadas, alho, cebola, cebolinha, manjericão, salsa, folhas de louro, hortelã, alecrim, pimenta e sucos de frutas.
  • Não utilize saleiro à mesa. Acostume-se a sentir o sabor dos alimentos, logo seu paladar se acostumará com o novo sabor;
  • Envolva as crianças e os adolescentes na preparação das refeições em casa, para que eles possam estabelecer bons hábitos alimentares para toda a vida.
Publicado em 24/05/22